Fundamentos técnicos

Controle de corpo

Em toda modalidade esportiva é preciso que o iniciante domine seu próprio corpo em movimentos básicos como: saída rápida, parada brusca e mudança de direção. Dominar o corpo é de suma importância para a realização de movimentos e gestos específicos do basquetebol, pois este fundamento está presente tanto nas ações ofensivas, quanto nas defensivas. É comum, uma preocupação equivocada dos alunos enfatizar somente a importância de fazer a cesta, com isso o aluno não toma conhecimento de seu próprio corpo, desconhecendo suas limitações e possibilidades.
Caracteriza-se pela capacidade de realizar movimentos e gestos  específicos do basquetebol exigidos pela dinâmica do jogo:
– Corridas para frente, trás e laterais
– Corrida com mudança de direção
– Fintas
– Giros
– Paradas bruscas: Interrupção do deslocamento para dificultar a ação da defesa

Manejo de bola

È um fundamento que tem como objetivo melhorar a habilidade geral do aluno no contato com a bola nas diversas possibilidades de movimentos com a bola, como rolar, tocar, quicar, segurar, lançar, enfim permitir o manuseio nos diversos planos do corpo, criando uma intimidade com a bola.

Capacidade de manusear a bola em diversas situações de jogo. O professor deve criar oportunidades e incentivar as diversas possibilidades de manuseio da bola.

Modo de segurar a bola:

– Ambas as mãos na parte lateral e posterior

– Dedos entreabertos

– Tocando a parte calosa dos dedos

– Cotovelos próximo ao corpo

Drible

O drible é um fundamento com a bola e é a forma pela qual o aluno se desloca pela quadra com a sua posse, sem infringir as regras do jogo. O drible é o ato de bater bola, impulsionando-a contra o solo com uma das mãos. A execução do drible pode ser descrita da seguinte maneira: a mão do drible é apoiada sobre a bola; com os dedos apontando para a frente; tronco ligeiramente inclinado à frente; pernas em afastamento ântero-posterior, sendo que à frente se coloca a perna oposta à mão do drible (drible com a mão direita – perna esquerda à frente). O drible é executado com movimentos coordenados de braço, antebraço, punho e mãos. A bola é empurrada de encontro ao solo, com um movimento de extensão do braço e ligeira flexão do punho ao seu final. A força empregada deverá ser tal que a bola retorne ao mesmo ponto de onde se originou o movimento, para que receba novo impulso. Nesta fase ascendente da bola haverá nova flexão do braço e a mão se apoiará sobre a bola para reiniciar o drible. Os movimentos serão contínuos e o olhar se voltará para à frente, e não para a bola.

Tipos de drible:

Alto ou de velocidade: utilizado para se deslocar em velocidade ou quando não sofre marcação. A bola é impulsionada à frente do corpo e lateralmente.

Baixo ou de proteção: utilizado quando o jogador recebe uma marcação e há a necessidade de proteção. Maior flexão das pernas e a bola deve ser protegida com o corpo.

Erros mais comuns

•Bater com as duas mãos simultaneamente

•Olhar para a bola ou para o solo;

•Conduzir ou bater na bola, em vez de impulsioná-la;

•Na proteção da bola, colocar à frente a perna correspondente à mão do drible;

•Em deslocamento, driblar com a bola bem à frente do corpo e acima da linha da cintura, dificultando o deslocamento.

Funções do drible

• Livrar‐se do adversário

. Melhorar a posição para o passe

• Penetrar na defesa adversária

• Proteger a bola quando for marcado

• Alterar o ritmo do jogo

Passe

O passe é um fundamento de ataque com a bola. Este fundamento constitui uma maneira de levar a bola de um ponto a outro da quadra, sem infringir as regras do jogo de basquetebol. Este fundamento é executado mediante lançamentos da bola entre elementos da mesma equipe, com o objetivo de conseguir um melhor posicionamento na quadra, para maior facilidade na obtenção de uma cesta.

Os passes podem ser executados com uma ou ambas as mãos. No primeiro caso podem ser citados os passes: picado, à altura do ombro, por baixo e tipo gancho. No segundo podem incluir-se os passes: à altura do tórax, picado, acima da cabeça e baixo.

Tipos de passes

Passe de peito

• Passe rápido,

• Utilizado em curtas e médias distâncias

• Bola segue uma trajetória retilínea

• Auxílio da semi‐flexão dos joelhos, inclinação do tronco á frente ou passada á frente.

Erros comuns

• Abrir exageradamente os cotovelos ou mantê‐los muito próximos ao corpo

• Unir as pernas durante o passe

• Lançar a bola fora da linha de recebimento do companheiro

• Lançar a bola com trajetória parabólica

Passe picado ou quicado

• Utilizado para custas distâncias

• Bola toca no solo antes de chegar ao companheiro

• Pode ser executado com uma ou duas mãos

Passe acima da cabeça

• Utilizado para curtas distâncias, especialmente para servir ao pivô ou quando se está bloqueado pelo marcador

Passe de ombro

• Utilizado para atingir longas distâncias, principalmente em jogadas de contra‐ataque

• O movimento inicia‐se à altura do ombro e ao lado da cabeça

• Trajetória da bola pode ser reta ou parabólica

Erros comuns

• Colocar á frente a perna correspondente à mão do passe

• Levar a bola para trás da linha do ombro

• Segura a bola com apenas um das mãos, não dando o apoio e suporte necessários

Passe de gancho

• Utilizado para grandes distâncias, principalmente para ligação do contra‐ataque

• Exige muita força

• Baixa precisão

Arremesso

O arremesso é um fundamento de ataque realizado com o objetivo de se conseguir a cesta. Em uma partida de basquetebol o atacante de posse de bola poderá executar um arremesso de diversas formas, dependendo de sua posição na quadra, da posição do adversário mais próximo e de sua velocidade de deslocamento. Em função desses parâmetros surgem alguns tipos de arremessos mais utilizados. São eles: a bandeja, o arremesso com uma das mãos e o jump. Pode-se citar ainda o arremesso tipo gancho, muito utilizado pelos pivôs por sua localização próximo à cesta. Serão descritos os três primeiros arremessos, por sua importância na aprendizagem do basquetebol e também, por serem os mais utilizados durante a partida.

Bandeja - É um tipo de arremesso executado quando o atacante se encontra em deslocamento e nas proximidades da cesta adversária. A bandeja se caracteriza pela execução de dois tempos rítmicos e impulsão numa só perna. O atacante que irá arremessar se desloca em direção à cesta, com ou sem posse de bola.

Com posse de bola (driblando). Pelo lado direito:

Ao se aproximar da cesta, numa região que varia conforme a amplitude de sua passada, o atacante segura a bola com o pé direito à frente (primeiro tempo rítmico) e executa um passo à frente com a perna esquerda (segundo tempo rítmico) preparando-se para a impulsão. Esta é dada com a perna esquerda, elevando-se o joelho da perna direita à frente para ajudar no salto e equilíbrio do corpo. Durante a fase aérea, a perna esquerda será mantida estendida. Simultaneamente, o atacante deverá colocar a mão de arremesso (no caso, a direita) atrás e um pouco embaixo da bola, deixando a esquerda posicionada lateralmente e dando-lhe o necessário apoio. O braço e o antebraço de arremesso formarão entre si um ângulo de 90 graus, com o cotovelo apontando para a cesta. Quando estiver no ponto mais alto do salto, o atacante deverá realizar o movimento de arremesso, estendendo o braço correspondente em direção à cesta. Ao final do movimento de braço, o atacante realiza uma flexão do punho, dando à bola uma rotação contrária à sua trajetória. Após o arremesso, o atacante deverá retomar sua posição no solo amortecendo equilibradamente a queda com os dois pés. É importante que se ensine ao aluno já na iniciação a bandeja feita tanto pelo lado direito como pelo esquerdo. Pelo lado esquerdo diferencia a perna dos tempos rítmicos e o braço que irá realizar o arremesso.

Sem posse da bola:

Quando o atacante se aproxima da cesta sem a posse de bola, deverá recebê-la com a perna direita à frente (primeiro tempo rítmico), no caso da bandeja pelo lado direito. A partir daí o movimento segue a mesma descrição acima.

Erros mais comuns:

•Não calcular corretamente o local de impulsão, colocando-se muito distante ou muito próximo da cesta;

•Executar mais do que dois tempos rítmicos, cometendo uma violação (andada);

•Flexionar a perna de impulsão na fase aérea;

•Em função da velocidade de seu deslocamento, arremessar a bola com muita força;

•Não olhar para a cesta no momento do arremesso;

•Não obedecer à simetria entre membros superiores e inferiores (exemplo desse erro: arremessar com a mão direita e elevar o joelho da perna esquerda); e

•Executar a queda numa só perna e muito distante do local de impulsão.

Arremesso com uma das mãos

Outra forma de concluir o ataque é por meio do arremesso com uma das mãos. Esse tipo de arremesso é realizado quando o atacante estiver em deslocamento a qualquer distância da cesta. Atualmente ele é executado na iniciação, quando o aluno/jogador ainda não apresenta condições de realizar o “jump” (outro tipo de arremesso, que será abordada a seguir) e/ou na situação lance-livre. O atacante, de posse de bola e numa região da quadra que lhe permita o arremesso, deverá proceder da seguinte maneira (exemplo com a mão direita): Pés paralelos (pé direito ligeiramente à frente) e afastados naturalmente um do outro; o atacante deverá segurar a bola com a mão direita apoiada atrás e embaixo da mesma e com o braço e antebraço de arremesso formando um ângulo de noventa graus entre si. O braço deverá estar paralelo ao solo e o cotovelo apontando para a cesta. O movimento do arremesso inicia-se com uma semi-flexão das pernas e a seguir, quase simultaneamente, faz-se a extensão delas e do braço direito (para a frente e para cima). Com a extensão das pernas e do braço de arremesso, a bola é lançada à cesta com uma trajetória parabólica e uma rotação contrária à sua direção. A rotação da bola é possível com a flexão do punho ao final do movimento. Como conseqüência dessas ações, o final do arremesso poderá ser acompanhado por um salto.

Erros mais comuns:

•Colocar à frente a perna contrária ao braço de arremesso;

•Não semi-flexionar as pernas para iniciar o movimento;

•Colocar a bola atrás da cabeça ou em uma posição que dificulte a visão da cesta;

•Não manter o braço de arremesso paralelo ao solo;

•Estender somente o antebraço, imprimindo uma alavanca inadequada ao movimento;

•Não apontar o cotovelo para a cesta;

•Não olhar para a cesta;

•Não flexionar o punho ao final do movimento e

•Não dar à bola uma trajetória parabólica.

Arremesso do tipo “jump

O termo “jump”, de origem inglesa, significa saltar, pular. Esse tipo de arremesso é o mais utilizado e um dos mais eficientes no basquetebol moderno. Sua principal característica é que o momento do arremesso coincide com o momento mais alto do salto. O “jump” pode ser realizado tanto partindo de uma posição estática quanto em deslocamento. Pode ser um arremesso de grande eficiência, podendo ser executado próximo à cesta ou também a longa distância.

Sua execução obedece aos seguintes procedimentos:

Após o atacante completar um drible ou receber um passe em condições adequadas de arremesso, deverá empunhar a bola com ambas as mãos, sendo que a mão do arremesso (exemplo com a direita) deverá estar posicionada atrás e embaixo da bola com o respectivo braço paralelo ao solo e formando um ângulo de 90 graus com o antebraço. O cotovelo deverá estar apontando para a cesta. A mão esquerda deverá estar apoiada na parte lateral da bola. Os pés deverão estar colocados paralelos e em afastamento natural. O movimento se inicia com uma semiflexão das pernas, preparando-se para a impulsão. O salto deverá ser realizado sobre os dois pés. Quando o atacante atingir o ponto mais alto do salto, inicia-se a extensão do braço de arremesso. Essa extensão deverá finalizar com a flexão do punho para imprimir à bola uma rotação contrária à sua direção. A bola deve ser lançada seguindo uma trajetória parabólica. O braço de arremesso termina o movimento totalmente estendido e em direção à cesta. A queda será executada simultaneamente sobre os dois pés. Erros mais comuns:

•Iniciar a extensão do braço de arremesso antes ou depois de se atingir o ponto mais alto do salto;

•Não executar a queda sobre as duas pernas;

•Não manter um equilíbrio no plano vertical durante o salto; e

•Pode-se considerar também os erros citados no arremesso com uma das mãos.

Rebote

Em um jogo de basquetebol, toda vez que houver uma tentativa de arremesso os jogadores deverão se posicionar de tal forma que, se a cesta não for convertida, eles estarão em condições de conseguir a posse da bola. Portanto, o ato de recuperar a bola após um arremesso não-convertido é denominado rebote.

O rebote pode ser classificado como: rebote de defesa ou defensivo e rebote de ataque ou ofensivo.

Rebote de defesa – É a recuperação da bola por um defensor após o arremesso do adversário. O rebote de defesa pode ser dividido em fases distintas. Estas fases são: acompanhamento visual da trajetória da bola, bloqueio ao adversário, salto e tomada da bola e queda. A ação do rebote se inicia quando o atacante executa o arremesso. O defensor deverá tomar algumas atitudes para facilitar a sua ação de rebote caso o arremesso não seja convertido:

1.Acompanhar visualmente a trajetória da bola para se colocar adequadamente.

2.Ao mesmo tempo ele deverá se colocar entre a cesta e seu adversário, de frente para aquela. Não há uma distância definida para que o defensor se posicione em relação à cesta. Entretanto nunca deverá estar imediatamente sob ela. Com esta ação o defensor executará o bloqueio de rebote.

3.O bloqueio é executado com o corpo equilibrado e preparado para absorver os choques provocados pelos contatos corporais que ocorrem nesta fase do rebote.

4.Sincronizar o tempo de salto com a recuperação da bola, para poder tomar contato com a mesma no ponto mais alto do salto e da trajetória da bola. Esta pode ser considerada a fase mais difícil do rebote.

5.Ao recuperar a bola o defensor deve realizar a queda de forma equilibrada (sobre os dois pés) e protegê-la com o corpo (principalmente com os braços, abrindo os cotovelos).

6.Com a posse da bola e no solo, o jogador terá duas alternativas: passar para um companheiro melhor posicionado ou driblar para uma região menos congestionada da quadra (de preferência para as laterais).

Rebote de ataque -É a recuperação da bola por um atacante após arremesso não convertido executado por um companheiro de equipe ou por ele mesmo. No rebote de ataque podem ser identificadas as mesmas fases do rebote de defesa. O atacante deverá tomar algumas atitudes para facilitar sua ação de rebote, caso o arremesso não seja convertido:

1.Proceder como nos itens 1 a 4 do rebote de defesa;

2.Ao recuperar a bola, e estando equilibrado no solo, o atacante deverá tentar um novo arremesso ou passá-la a um companheiro melhor posicionado para arremessar ou reiniciar o ataque.

Obs. – Na fase aérea do rebote existe a possibilidade de o atacante tocar a bola para a cesta sem dominá-la. Esta ação é denominada “tapinha”.

Erros mais comuns:

•Colocar-se muito embaixo da cesta;

•Não se colocar na região mais próxima à cesta, onde normalmente ocorrem os rebotes.

•Não sincronizar o salto com o ressalto da bola no aro ou tabela; e

•Conseguindo a posse da bola, não protegê-la devidamente, deixando que um adversário tenha facilidade em recuperá-la. Exemplo: colocar a bola atrás da cabeça.

Fonte: Marlus Alexandre Sousa e Rubens Venditti Júnior. Artigo disponível no BoletimEF: Iniciação esportiva no Programa Segundo Tempo: perspectivas teóricas, reflexões e proposta metodológica para os fundamentos do Basquetebol

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

%d blogueiros gostam disto: